top of page

Endometriose – saiba tudo sobre essa doença que atinge muitas mulheres pelo mundo

O útero é revestido por um tipo de tecido que é afetado diretamente pelos hormônios liberados no organismo feminino, engrossando sua espessura no período menstrual e sendo expelido do corpo durante o ciclo da mulher. Esse tecido é conhecido como endométrio.

Dr. Francis Helber Possari Juliano (CRM 116812) médico cirurgião ginecológico, explica que o endométrio é o que permite que o óvulo se instale ali para que possa ser fecundado pelo espermatozoide, gerando a gravidez. Porém, quando esse tecido cresce fora do útero, por exemplo nos ovários ou no intestino, a paciente é diagnosticada com endometriose.


Considerada uma das principais causas de infertilidade feminina da atualidade, a endometriose atinge cerca de 30% a 50% das mulheres e acomete mais de 176 milhões de mulheres no mundo, chegando a afetar cerca de 10% da população feminina brasileira, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


Além dos fatores genéticos envolvidos, acredita-se que o padrão de vida feminino atual, como gravidez tardia, menor número de filhos e maior nível de estresse diário, pode influenciar o surgimento da doença.

De acordo com Dr. Francis, essa condição recebe mais diagnósticos após a mulher completar 20 anos de idade, mas o tecido uterino pode crescer fora do local correto antes mesmo que a menina tenha sua primeira menstruação.


Mas, como saber que é endometriose? Os principais sintomas da doença são:

- Cólicas muito fortes com dores abdominais;

– Sangramentos intestinais e urinários durante a menstruação;

– Fluxo menstrual intenso e irregular;

– Dor intensa durante as relações sexuais;

– Fadiga e cansaço;

– Infertilidade ou dificuldade maior para engravidar;

– Diarreia.


Segundo Dr. Francis, a endometriose pode ser de vários tipos, variando de acordo com as características morfológicas das lesões, sendo elas:

· Endometriose peritoneal superficial: presença de tecido endometrial de forma superficial sobre a região do peritônio. As lesões possuem menos do que 0,5 centímetro de profundidade, sendo o tipo mais comum da doença.

· Endometriose de ovário ou endometrioma: Endometriomas são cistos localizados nos ovários e podem estar associados à endometriose profunda.

· Endometriose profunda: presença de implantes de tecido endometrial em uma profundidade superior à 0,5 centímetro. Atingem, principalmente, a região atrás do útero e no intestino.


A endometriose é multifatorial. Por isso, é muito comum que a paciente desenvolva mais de um tipo.


Outra classificação utilizada é a definida pela American Society of Reproductive Medicine (ASRM). Ela qualifica a endometriose em 4 estágios, de acordo o tamanho, a profundidade e a localização das lesões.

  • estágio I: endometriose mínima (implantes isolados e sem aderências);

  • estágio II: endometriose leve (implantes superficiais com menos de 5 cm e sem aderências);

  • estágio III: endometriose moderada (presença de múltiplos implantes e de aderências evidentes);

  • estágio IV: endometriose grave (múltiplos implantes superficiais e profundos e aderências densas e firmes).

A endometriose é uma condição crônica, e não tem cura estabelecida até agora! A doença costuma somente parar de demonstrar seus sintomas depois da menopausa, quando há um declínio nos hormônios femininos que lidam diretamente com o endométrio.

De qualquer forma, sempre é melhor procurar um médico para que ele possa oferecer um diagnóstico de acordo com os sintomas que cada paciente descreve, que pode ou não se tratar da endometriose.

bottom of page